sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Jacó e a Transformação de Identidade

Introdução

Jacó foi um exemplo de como Deus pode mudar a identidade de alguém. O velho homem, com seus pecados e valores distorcidos, precisa dar lugar ao novo. Hoje veremos o quanto precisamos da transformação divina para que a bênção seja uma realidade diária.

1 - Sentindo a Necessidade de Transformação – “Voltaram os mensageiros a Jacó, dizendo: Fomos a teu irmão Esaú; também ele vem de caminho para se encontrar contigo, e quatrocentos homens com ele.” – Gn. 32:6

Quando Jacó ouviu que seu irmão Esaú estava vindo ao seu encontro com mais quatrocentos homens, ficou aterrorizado. Qual o motivo? No passado, Jacó havia roubado a bênção destinada ao seu irmão, e por conta disso, fugiu para salvar sua vida (Gn. 27:41). Ouvindo, pois, que Esaú vinha ao seu encontro, logo pensou que podia ser por vingança. Então, imediatamente, tratou de buscar a Deus com todas as suas forças. Ele cria que o Senhor podia desembaraçar seu caminho e livrá-lo das conseqüências dos seus erros passados.

Para que alguém seja transformado por Deus, precisa, primeiro, sentir a necessidade de mudança. Quem não sente que precisa mudar, não buscará ajuda nem clamará a Deus. Se o doente não for convencido de que está enfermo, dificilmente se exporá a algum tratamento. Às vezes, Deus se utiliza de situações críticas para nos dar a entender que precisamos dEle. E quando recorremos ao Seu auxílio, Ele sempre está pronto para nos ajudar.


2 - A Importância de Estar a Sós Com Deus – “...ficando ele só; lutava com ele um homem, até ao romper do dia.” – Gn. 32:24

Jacó procurou um lugar tranqüilo onde pudesse ter uma experiência pessoal com o Senhor. Antes, porém, fez passar a tudo o que tinha: suas esposas, seus filhos, animais, bens, etc. Tudo ele fez passar para estar sozinho com Deus. Às vezes, nos escondemos atrás de alguém para justificar um erro. Dizemos: Fiz isso por causa dele ou dela... Achamos que determinado erro aconteceu por causa de alguém e não por nossa própria responsabilidade. Jacó não fez isso. Ele buscou estar somente diante de Deus, sem se esconder atrás de ninguém. Ele fez isso e Deus o abençoou.

O homem precisa reconhecer que o responsável pelos seus problemas é ele mesmo. Ainda que outras pessoas tenham participado do processo de ruína, primeiro, precisamos olhar para nós mesmos. Não ficar procurando culpados fora de nós, é de suma importância para que haja uma solução eficaz, vinda de Deus. Quando não procuramos jogar a responsabilidade sobre os outros e assumimos nossos erros, então, o Senhor se volta para nós e endireita nossas veredas.

3 - O Confronto Divino Para a Transformação de Identidade – “Perguntou-lhe, pois: Como te chamas? Ele respondeu: Jacó.”

O nome Jacó significa “aquele que passa por cima” ou “enganador”. Antes de ser transformado, Jacó precisava saber que todos os conflitos em sua vida, se deram, justamente, por causa do seu caráter defeituoso. Ele precisava reconhecer que era pecador e que seus erros o levaram a sofrer todo aquele pesar. Deus sabia que ele se chamava Jacó; mas queria apenas trazer à tona a identidade que necessitava morrer por meio de um arrependimento genuíno.

O Senhor continua perguntando sobre quem eu sou e quem é você. Como nos vemos? Se a resposta for somente: sou um bom marido, um bom filho, um bom pai, um bom cidadão, um bom patrão, um bom funcionário, etc., então estamos dizendo a nós mesmos que não precisamos mudar. Se, porém, apesar das virtudes, reconhecer humildemente que tenho falhas e que ainda estou distante daquele a quem Deus quer que eu seja, então, terei passado pela prova do confronto e estarei pronto para experimentar uma nova etapa do processo de restauração divina.

4 - A Transformação de Identidade – “Então, disse: Já não te chamarás Jacó, e sim Israel, pois como príncipe lutaste com Deus e com os homens e prevaleceste.” – Gn. 32:28

Bastou Jacó reconhecer a sua velha identidade de engano e pecado, para Deus suscitar uma nova identidade. Israel significa “Príncipe com Deus” ou “Aquele que luta com Deus”. Esse novo nome é próprio de quem reconhece os pecados e suas conseqüências, e luta com Deus por uma transformação. Jacó não queria mais ser quem ele era no passado. O Senhor viu o seu coração e a sua atitude decidida a mudar; e por isso, fez prevalecer o desejo do seu coração. Ali mesmo, Deus o abençoou. O encontro com Esaú, seu irmão, foi pacífico, porque Jacó levava sobre si a bênção da proteção, do livramento e da vida.

Somente Deus é quem pode nos transformar. Ele nos criou e só Ele pode nos restaurar. Quando nos arrependemos dos nossos pecados e convidamos o Senhor a morar em nós, como conseqüência, Ele nos perdoa e nos concede do Seu próprio Espírito para permanecer em nós. É assim que somos transformados pelo seu poder.

Jacó se destacou dentre os homens pela sua luta incessante por transformação interior, e foi ouvido por Deus.

“Lutou com o anjo e prevaleceu; chorou e lhe pediu mercê; em Betel, achou a Deus, e ali falou Deus conosco.” – Oséias 12:4

Um comentário:

Sandra canto disse...

Ótima reflexão, obrigada.